Adriana Irion

Formada em Jornalismo pela Famecos/PUC em 1994, tem 48 anos e trabalha desde 1992 no Grupo RBS, onde é repórter especial e integrante do Grupo de Investigação da RBS. Atuou em diversas áreas do jornalismo, tendo como foco, a partir de 1995, na Editoria de Polícia, investigações de crimes, em presídios e em unidades de internação de adolescentes. A partir de 2007, passou a trabalhar como repórter de Política, fazendo a cobertura, principalmente, de casos de corrupção no poder público - como a fraude dos selos na Assembleia Legislativa -, de operações da Polícia Federal - como a Rodin (fraude no Detran) e Solidária - e investigações de crimes do colarinho branco. Em 2012, foi uma das autoras da série Meninos Condenados, vencedora de cinco diferentes prêmios nacionais e internacionais, entre eles, o Prêmio Esso Regional e o 2º Lugar do Prêmio Ipys de Reportagem. Em 2012, foi autora da série de reportagens que revelou o caso de uma funcionária do Legislativo que passeava com o cachorro em horário de trabalho. A reportagem fez a Assembleia mudar procedimentos de controle de expediente. Também participou de coberturas de repercussão nacional como a da tragédia na Boate Kiss e a morte do menino Bernardo Uglione Boldrini, em Três Passos. Em 2016, publicou a série Dinheiro pelo Bueiro, que denunciou que empresa cobrava da prefeitura pela limpeza de bocas de lobo inexistentes. Em 2019, atuou na cobertura de casos de abuso sexual, como o do grupo de escoteiros de Fontoura Xavier, que sofria abusos por parte do chefe do grupo.

adriana.irion@zerohora.com.brtwitter.com/adrianairion