Crônica no Globo

Pedro Bial responde a críticas após polêmica sobre "Democracia em Vertigem": "Fui linchado e peço paz"

Em entrevista à Rádio Gaúcha, apresentador afirmou que não gostou do documentário "Democracia em Vertigem", mas afirma que torce por ele no Oscar

Sem conexão
Bial afirma que sofreu um "linchamento virtual" por suas opiniões sobre o filme

O apresentador Pedro Bial escreveu crônica no jornal O Globo sobre as críticas que recebeu acerca das suas opiniões relativas ao filme Democracia em Vertigem, candidato brasileiro ao Oscar de melhor documentário. Em uma crônica chamada "Perdoa-me por me linchares", Bial afirma que sofreu um "linchamento virtual" por suas opiniões sobre o filme, veiculadas em entrevista ao programa "Timeline" da Rádio Gaúcha no dia 3 de fevereiro.

Leia o caderno especial sobre o Oscar

"Esta semana, experimentei, mais uma vez, o que é estar na parte linchada de um linchamento virtual. Eu, que vivo de acolher as opiniões das pessoas, caí na temeridade de dar a minha. Eu não peço desculpas nem peço que me peçam desculpas", declarou Bial. 

Na entrevista, Bial afirmou que o filme é uma "ficção alucinada", "mais do que maniqueísmo, uma mentira" e faz uma leitura psicanalítica, afirmando que Petra "é uma menina querendo dizer para a mamãe dela que fez tudo direitinho".

Na crônica, Bial afirma que essa segunda parte foi mal interpretada e que é injusto chamá-lo de machista por essas críticas.

"Por exemplo, publica-se antes a frase editada 'é uma menina sob as ordens de mamãe', do que a integral 'numa leitura psicanalítica mais profunda, é uma menina sob as ordens de mamãe'. É do jogo, adiante. Apanho sem berrar, só não me venham com o machismo de tratar como menina indefesa uma mulher que sabe bem se defender", declarou.

Apesar de reiterar as críticas ao filme, Bial diz acreditar que a vitória de Democracia em Vertigem no Oscar seria "bom para o Brasil".

"O filme que há de brilhar na noite de hoje me parece sua obra menor (em relação a outros filmes de Petra), mas não importa, importante é o nosso cinema estar lá representado. A insegurança do governo e seu temor de que a imagem do Brasil possa ser arranhada por um filme são bobagens, tiros nas próprias patas. Além de mais uma amostra do retardo intelectual de nosso governante, como apontei no rádio, é um escândalo que se gaste o dinheiro público para atacar nossa artista de destaque internacional. Um filme brasileiro no Oscar é sempre bom para o Brasil. Se ganhar, melhor ainda. Viva o cinema brasileiro!", conclui Bial.

A torcida de Bial, entretanto, não foi suficiente: o filme "Indústria Americana", produzido pelo casal Barack e Michelle Obama, venceu o Oscar de melhor documentário, superando "Democracia em Vertigem".

Mais GZH