Auxílio médico

Especialista em respiração artificial chega a Porto Alegre para tratar pacientes feridos em Santa Maria

Marcelo Cypel, médico formado pela PUCRS, atua em centro de referência na Universidade de Toronto, no Canadá

Sem conexão
Marcelo Cypel irá avaliar pacientes com problemas causados pelo incêndio na boate Kiss

Especialista na técnica de respiração extracorpórea, o médico porto-alegrense Marcelo Cypel chegou esta tarde à Capital para avaliar pacientes com problemas causados pelo incêndio na boate Kiss, em Santa Maria.

Cypel, 36 anos, é diretor do Grupo de Suporte Pulmonar Extracorpóreo da Universidade de Toronto, no Canadá, e viajou atendendo a uma solicitação do Ministério da Saúde.

Cirurgião torácico formado na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Cypel, que começa a trabalhar hoje mesmo, receberá o reforço de mais dois profissionais do Canadá nesta segunda-feira. A equipe avaliará casos de insuficiência pulmonar em hospitais de Porto Alegre para depois partir para Santa Maria. A técnica já é utilizada no Brasil, mas a instituição estrangeira é referência no tema em toda a América do Norte.

- É um pulmão artificial. Ele retira o sangue da pessoa, o sangue circula nessa máquina e depois volta para a pessoa. O pulmão do paciente pode descansar - explicou Cypel no Aeroporto Internacional Salgado Filho, onde foi recepcionado por jornalistas e familiares.

A respiração extracorpórea pode beneficiar doentes com infecções e traumatismos graves que estejam com os pulmões sobrecarregados pelo uso de respiradores artificiais. Quanto mais elevada a pressão exercida por um respirador, maiores são os riscos de lesões nos pulmões, que podem se tornar permanentes.

A técnica consiste em conectar ao paciente um artefato que cumpre, fora do corpo, o papel dos pulmões, possibilitando que os órgãos originais se recuperem. De acordo com Daniella Cunha Birriel, médica intensivista da UTI do Pavilhão Pereira Filho da Santa Casa, a pressão do respirador pode, assim, ser reduzida.

- Isso vai fornecer um descanso ao pulmão enquanto a máquina faz o trabalho maior. A ideia é que o pulmão fique "dormindo" para se recuperar - explica Daniella, também integrante da equipe de transplantes da instituição.

Nem todas as vítimas ligadas a respiradores artificiais necessitarão se submeter à respiração extracorpórea. Segundo Cypel, trata-se de um procedimento indicado apenas para uma minoria entre os feridos.

Clique na imagem e confira o perfil das 237 vítimas

Sem conexão

Como aconteceu

O incêndio na boate Kiss, no centro de Santa Maria, começou entre 2h e 3h da madrugada de domingo, quando a banda Gurizada Fandangueira, uma das atrações da noite, teria usado efeitos pirotécnicos durante a apresentação. O fogo teria iniciado na espuma do isolamento acústico, no teto da casa noturna.

Sem conseguir sair do estabelecimento, pelo menos 237 jovens morreram e outros 100 ficaram feridos. Sobreviventes dizem que seguranças pediram comanda para liberar a saída, e portas teriam sido bloqueadas por alguns minutos por funcionários.

A tragédia, que teve repercussão internacional, é considerada a maior da história do Rio Grande do Sul e o maior número de mortos nos últimos 50 anos no Brasil.

Em gráfico, entenda os eventos que originaram o fogo:

Veja também

Confira imagens do local onde aconteceu a tragédia
Veja como foi o velório das vítimas
Nove pontos que devem permear as investigações sobre incêndio

A boate

Localizada na Rua Andradas, no centro da cidade de Santa Maria, a boate Kiss costumava sediar festas e shows para o público universitário da região. A casa noturna é distribuída em três ambientes - além da área principal, onde ficava o palco, tinha uma pista de dança e uma área vip. De acordo com a Polícia Civil, a danceteria estava com o
plano de prevenção de incêndios vencido desde agosto de 2012.

Clique na imagem abaixo para ver o antes e o depois da danceteria:


A festa

Chamada de "Agromerados", a festa voltada para estudantes da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) começou às 23h de sábado. O evento era de acadêmicos dos cursos de Agronomia, Medicina Veterinária, Tecnologia de Alimentos, Zootecnia, Tecnologia em Agronegócio e Pedagogia.

Segundo informações do site da casa noturna, os ingressos custavam R$ 15 e as atrações eram as bandas "Gurizadas Fandangueira", "Pimenta e seus Comparsas", além dos DJs Bolinha, Sandro Cidade e Juliano Paim.

Sem conexão
Mais GZH